Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Logo 9ª Copa Tabelas Completas
Pontuações Jogos Realizados
Luta Sindical

Ciro Gomes participa de debate com trabalhadores no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo

E diz que revogará a reforma trabalhista

Ciro Gomes

Ciro Gomes e Miguel Torres

O candidato a presidente da República pelo PDT, Ciro Gomes, participou nesta sexta, 27 de abril de 2018, de um encontro com trabalhadores, diretores(as), assessores(as) metalúrgicos, e funcionários do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, dirigentes sindicais metalúrgicos de outras bases e categorias (eletricitários, telefônicos, alimentação), da CSB e estudantes.

Ciro Gomes veio com o presidente do PDT, Carlos Lupi, e foi recebido pelo presidente do Sindicato e da CNTM, Miguel Torres, vice-presidente da Força Sindical, e pelo secretário-geral Jorge Carlos de Morais, o Arakém.

Miguel Torres – “Queremos ouvir quais são as suas propostas para o futuro do País e dos brasileiros. Não tem como a gente, como trabalhador, não falar deste momento difícil diante de uma reforma trabalhista que veio para tirar direitos, precarizar as condições de trabalho, tornar o trabalhador submisso e favorecer os grandes grupos econômicos, sob o falso pretexto de gerar emprego e mais produção”, disse Miguel Torres, após saudar o candidato,o plenário e sindicalistas presentes.

Depois de fazer um breve relato da situação econômica, política e social do Brasil, Miguel Torres disse que este “é um ano que temos que ter compromisso com o nosso voto e eleger pessoas comprometidas conosco e não reeleger quem votou contra nós”.

Construir juntos uma solução para a crise
Ciro Gomes disse que “temos que tentar construir juntos uma solução para essa crise que vem de muitos anos, é tão complexa e intrincada” e, entre outras análises, disse que revogará a reforma trabalhista, falou do aumento do número de assassinatos, do desemprego e do aumento da informalidade.

“Pela primeira vez na história, o número de pessoas empurradas para a informalidade superou o de trabalhadores formais. Temos 13,7 milhões de desempregados e 1,5 milhões de vagas foram destruídas a partir da vigência da reforma trabalhista”.
Ciro disse que as lideranças sindicais e trabalhadores precisam ajudar o Brasil a entender o que está acontecendo. “Se vamos falar de saúde precisamos dizer de ontem vem o dinheiro. É preciso discutir como o Brasil está se desindustrializando rapidamente e perdendo suas riquezas. Temos a maior concentração de renda do mundo”.

Segundo ele, o problema do País não é o salário. “É mentira que o problema brasileiro é renda e salário. O problema é o juro, que é alto demais e consome investimentos, enquanto os bancos têm lucros altíssimos”.

Desafios
Ciro disse que o Brasil tem pelo menos três desafios a resolver: o endividamento das famílias (60 milhões de brasileiros), “de tantos juros exorbitantes”, das empresas com o sistema financeiro e o colapso das contas públicas.

Para resolver este colapso, segundo Ciro, é preciso destruir a força organizada do mundo do trabalho. “O governo não tem compromisso popular, aprovou uma reforma trabalhista que é uma fraude e o sistema tributário é o mais regressivo do mundo”.

Ciro falou também sobre a seguridade social. “Em 2017, a arrecadação da seguridade foi suficiente para pagar a Previdência Social e ainda sobrou um pouco. Aí o governo fez a DRU (Desvinculação das Receitas da União) que tirou 30% da Previdência para os seus cofres”.

Após finalizar sua fala, Ciro Gomes respondeu perguntas de dirigentes e trabalhadores. Ele disse que seu programa de governo ficará pronto em junho e que o momento agora é de ouvir reivindicações e debater.

Ciro Gomes responde:

“Defendo a revogação da reforma trabalhista”.

“O Brasil precisa estudar e respeitar a história trabalhista, pois o trabalhismo soma valores de desenvolvimento com superação da pobreza”.

“Os investimentos precisam ser destinados para a indústria, agricultura e construção civil e para a geração de empregos”.

“Já fui parlamentar e devemos resgatar a importância do Congresso Nacional para a democracia”.

“É fundamental redesenhar o pacto federativo e negociar
a situação econômica dos estados e municípios”.

“A população precisa ser ouvida por meio de referendos e plebiscitos”.

“Vamos tirar a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil
do oligopólio financeiro de bancos privados”.

“As reformas necessárias para o desenvolvimento do País devem
partir dos interesses conjuntos de quem produz e de quem trabalha”.

Carlos Lupi, Ciro Gomes e Miguel Torres

 

Secretário-geral Arakém, junto ao público, na organização do evento e do debate

Diretor Xepa

Diretor Alemão

Diretor Sales

Diretor Adnaldo

Diretor Cabeça, dos metalúrgicos de Guarulhos

 

Nildo, de Guarulhos

 

Comentários