Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Radio Peao Brasil Luta Sindical

Centrais protestam em São Paulo contra a extinção do Ministério do Trabalho

O teatro foi destaque no protesto das centrais sindicais em São Paulo, em frente à Superintendência Regional do Trabalho, nesta terça, 11 de dezembro de 2018, contra a extinção do Ministério do Trabalho e Emprego.

Tendo como base o desenho “Regresso de um proprietário”, do francês Jean Baptiste Debret, os manifestantes fizeram uma analogia de “escravidão” ao cenário atual de ataques aos direitos da classe trabalhadora, criticando a reforma trabalhista, a proposta da reforma da Previdência, que acaba com as aposentadorias, e a recente frase do presidente eleito Bolsonaro: “É horrível ser patrão no Brasil”.

Para o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, também presidente da CNTM e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, quem quer o fim do Ministério do Trabalho é quem não quer este órgão fiscalizando as condições de trabalho nem agindo do lado do movimento sindical e da classe trabalhadora pelos direitos, pelo emprego de qualidade para todos e por melhores condições de trabalho. “Este protesto visa alcançar toda a sociedade brasileira e, desde já, nos preparar para as lutas que iremos travar em 2019”, explica Miguel Torres.

Para João Carlos Gonçalves, Juruna, secretário-geral da Força Sindical, o Ministério do Trabalho é importante na fiscalização e nas relações entre capital e trabalho. “As demandas dialogadas de forma democrática, com importante atuação deste Ministério, contribuíram significativamente para o avanço das relações de trabalho.

Miguel Torres, presidente da Força, CNTM e Sindicato

Juruna, secretário-geral da Força Sindical

Diretora Leninha

Secretário-geral Arakém, junto aos demais diretores do Sindicato e manifestantes das centrais

Fotos Jaélcio Santana
Texto Val Gomes

Confira mais fotos no FLICKR DA FORÇA