Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
1
Radio Peao Brasil Luta Sindical

Música e Trabalho: Chico Buarque canta “Construção”

A música é elaborada na cadência da construção civil, simulando o ritmo do trabalho do pedreiro. Desta forma ela expressa, através de sua poesia concreta, a aridez e a rudeza da vida deste trabalhador. Cada aspecto desta vida fragmentada parece circunscrito a um bloco. Tal como suas edificações, a vida do trabalhador da construção civil está, segundo a poesia de Chico Buarque, padronizada, projetada. Por isso as mudanças das sequências não interferem na harmonia. A morte, enfim, em mais um acidente de trabalho, é vista pela sociedade como um transtorno por atrapalhar o fluxo de carros, e não como um ato trágico que contempla o valor da vida.

Construção
(Chico Buarque/1971)

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contra-mão atrapalhando o sábado

Fonte: Centro de Memória Sindical