Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Radio Peao Brasil Luta Sindical

Metalúrgicos repudiam intervenção militar

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e a CNTM reafirmam o apoio à paralisação dos caminhoneiros e repudiam qualquer forma de intervenção militar sob o pretexto de conduzir o País à normalidade.

Consideramos o movimento dos transportadores justo e de vital importância por expor quanto nefasta é a política econômica imposta ao País e mostrar que não é possível conviver com uma a carga tributária que drena nossas economias, nosso trabalho, nossa produção, nossos empregos e inviabiliza qualquer esforço de retomada do crescimento.

O movimento mexeu com a vida do País. Forçou o governo a negociar a redução do preço do diesel, a redução dos pedágios para caminhões com eixo levantado (sem carga), que os reajustes do diesel passarão a ser mensais, a partir de agosto, e não diário, conforme a variação dos preços no mercado internacional. Mas, e aí?

Como serão os reajustes mensais? E os preços do gás de cozinha e da gasolina, que também são necessidades básicas que precisam ser atendidas? As donas de casa vão precisar fazer greve e ir pra rua bater panela na porta do Palácio do Planalto?
A população vai continuar pagando os preços abusivos que refletem em cadeia nos demais produtos e serviços?

Se a política de reajustes da Petrobras não mudar os problemas vão continuar.

A mídia divulgou que o Brasil perdeu R$ 3 bilhões somente em tributos com oito dias de greve. E quanto o Brasil já perdeu ao longo dos anos com o desperdício, os desvios, privilégios, carga tributária injusta, juros abusivos, saúde precária, ferrovias e rodovias abandonadas etc.

A paralisação mostrou que o governo tem muito que negociar, para o bem do País e de forma democrática. Não pela intervenção militar e o risco da volta do arbítrio e do cerceamento da liberdade. Isso é o pior que poderia acontecer.

Somos cidadãos brasileiros cansados de serem maltratados. Somos pela negociação, sempre, não pela intervenção. Somos pelo direito do pleno exercício da nossa cidadania.

Viva a democracia!

Miguel Torres
Presidente do Sindicato e da CNTM e vice-presidente da Força Sindical

Comentários