Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Radio Peao Brasil Luta Sindical

Trabalhadores da Valtra fazem churrasco de protesto pela PLR

foto Jaelcio Santana

Os trabalhadores da fábrica de tratores Valtra, em Mogi das Cruzes, seguem firmes com a greve iniciada quarta-feira, dia 1º de agosto, em protesto contra a empresa que não pagou o valor integral da primeira parcela da PLR (Participação nos Lucros ou Resultados), conforme estabelece o acordo assinado entre a Valtra e o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

Na quinta-feira, 2 de agosto, os trabalhadores, liderados pelo secretário-geral do Sindicato, Jorge Carlos de Morais, o Arakém, e com o apoio dos diretores Rodrigo de Morais e Ester, fizeram uma passeata até o centro de Mogi das Cruzes. Na sexta, 3, de manhã, o protesto foi em forma de churrasco no portão da empresa, com participação e apoio dos diretores Leninha e Paulão e do assessor Gigante.

Mesmo assim, a Valtra não quis conversa com o Sindicato, mas solicitou audiência no Tribunal Regional do Trabalho junto com um documento com alegações falsas, uma delas a de que o Sindicato está impedindo os trabalhadores de entrar para trabalhar. A audiência foi realizada na tarde de sexta e o resultado será discutido em nova assembleia marcada para esta segunda-feira, 6 de agosto, às 9h, na porta da empresa.

 

foto Alex Lider

CNTM pede apoio internacional à luta na Valtra
clique para ler a carta

O presidente da CNTM e do Sindicato, Miguel Torres, também presidente interino da Força Sindical, enviou cartas aos presidentes Gary Jones do UAW (United Auto Workers) e Leo W. Gerard do USW (United Steel Workers) relatando que a Valtra não cumpriu o acordo da PLR, o que levou os trabalhadores a entrarem em greve.
“Mesmo assim, a Valtra não chamou o Sindicato para negociar. Contamos com a força do UAW e do USW para que, junto ao Grupo AGCO, do qual faz parte a Valtra, possamos fazer com que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados e a empresa negocie”, diz Miguel Torres no documento.

Comentários