Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Radio Peao Brasil Luta Sindical

Selic cai, mas corte nos juros não chega ao bolso dos clientes

bancos.jpg

Os três maiores bancos privados do país lucraram quase 54 bilhões de reais em 2017

CartaCapital
por Dimalice Nunes

Apenas agora, com a Selic abaixo dos 7%, spread bancário caiu para o nível de quando os juros básicos eram 14,25%. E lucro dos bancos segue recorde

O Banco Central reduziu, pela 11ª vez consecutiva, a taxa básica de juros, agora em 6,75% ao ano. Apesar de a Selic já ter alcançado em dezembro do ano passado o menor patamar desde 1986, o spread bancário – que é a diferença entre o preço que o banco paga pelo dinheiro e o que ele cobra dos seus clientes – segue elevado. Enquanto a Selic caiu para menos da metade, o spread alcançou apenas em dezembro os 32 pontos, mesmo patamar de dois anos antes, quando a Selic ainda estava em 14,25%.

Consequência direta desse descasamento entre o comportamento da taxa básica de juros e do spread é que os cortes da Selic não chegam ao bolso de quem toma dinheiro emprestado no sistema bancário ou faz compras a prazo. Pelo contrário: os maiores bancos do país é que seguem acumulando lucros recordes.

Para o professor de Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV) Cesar Caselani, a baixa concentração do sistema bancário brasileiro, aliado a um risco alto de crédito, levam a esse cenário de spread alto. Levantamento do Banco Mundial apontou que em 2016 o spread bancário brasileiro, à época na casa dos 40 pontos, era o segundo mais alto do mundo, atrás apenas do de Madagascar.

“O Brasil está sempre entre os três spreads mais altos do mundo, e mesmo quando olhamos para outros países da América Latina, que têm risco semelhante, os valores são muito maiores”, afirma o professor. Ele lembra que o mesmo levantamento do Banco Mundial mostra que o spread médio na América Latina era de 7,5 pontos em 2016, mais de 30 pontos acima do brasileiro.

A conta, então, fica para a falta de competição entre os bancos. Segundo o professor de economia do Ibmec-SP João Ricardo Costa, é a alta concentração do sistema bancário no Brasil que explica boa parte da demora para que os cortes da Selic cheguem aos juros praticados no mercado. “A competição é muito baixa e as instituições não repassam para os clientes os cortes da Selic”, afirma.

O Brasil tem cerca de 150 bancos autorizados a funcionar, mas dados do Banco Central mostram que apenas os quatro maiores – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Itaú – detêm 73% do total de ativos do sistema e 80% do crédito concedido no País. Excluídos Banco do Brasil e Caixa Econômica, bancos públicos, o Santander entra no ranking.

No ano passado, o Itaú lucrou 24,9 bilhões de reais, o Bradesco 19,1 bilhões e o Santander 9,9 bilhões, crescimentos de 12,3%, 11,1% e 35,6%, respectivamente. “Os números destoam, com bancos indo muito bem quando todo mundo vai mal’, afirma Costa. “Para de fato os juros caírem é preciso mexer na competição”, reforça Costa.

Descompasso

Após atingir níveis historicamente baixos em meados de 2012 – 7,25% ao ano – a taxa Selic iniciou sua escalada, com um Banco Central mirando o controle da inflação. De aumento em aumento, chegou em 14,25% em julho de 2015, o maior nível desde agosto de 2006.

Depois de pouco mais de um ano, com a inflação sob controle e uma economia em recessão, um novo ciclo de cortes começou, com reduções sucessivas que levaram a Selic aos atuais 6,75%.

A trajetória do spread bancário, no entanto, segue desalinhada do comportamento das taxas de juros. Há um ano, quando a Selic já estava em 12,25%, dois pontos abaixo do recorde anterior, era o spread quem batia recorde, aos 42,7 pontos.

Foi a partir de então, mais de seis meses após o início da queda da Selic, que o spread começou a cair. Em dezembro de 2017, alcançou o patamar de dezembro de 2015, a casa dos 32 pontos. Naquele momento, a taxa Selic já havia caído à metade. Em dezembro de 2015 a Selic estava ainda estava em 14,25% ao ano.

No período pré-crise, o Brasil teve a combinação de um spread bem mais baixo com a Selic perto de 7% ao ano. Isso ocorreu em julho de 2013, quando a diferença entre o que se paga e recebe em juros no Brasil estava em 20 pontos, 12 pontos abaixo do patamar atual.

No bolso do consumidor a conta segue alta. Os juros praticados pela economia caíram, mas de forma bem mais modesta do que a Selic. De acordo com os dados da Nota de Política Monetária à imprensa e Operações de Crédito, divulgada no último dia 29 pelo Banco Central, o juros cobrados no cheque especial, por exemplo, estavam em 323% ao ano em dezembro e sofreram uma queda praticamente irrisória em um ano: eram 328% ao ano em dezembro de 2016. No cartão de crédito era 334% ao ano em dezembro.

Após o novo corte da Selic, o empresariado reforçou que o que importa agora é que a redução da taxa básica chegue no tomador de crédito. Segundo nota da Fiesp, as altas taxas para o tomador final retiram poder de compra das famílias, inibem o investimento e a geração de emprego por parte das empresas e dificultam a retomada do crescimento. “O Banco Central precisa deixar de só fazer ameaças ao sistema bancário. Tem que tomar ações incisivas para reduzir a taxa de juros ao tomador final.”

A partir de agora a expectativa é de que o ciclo de cortes da Selic se encerre. Os especialistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central desta semana esperam que os juros básicos fiquem em 6,75% ao ano até o fim de 2018. O próprio BC sinalizou isso no anúncio do corte desta quarta-feira: “para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, o Comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, diz o comunicado. A próxima reunião do Copom será em 21 de março.