Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Logo 9ª Copa Tabelas Completas
Pontuações Jogos Realizados
Luta Sindical

Parecer do governo diz que reforma trabalhista vale até para contratos antigos

Fonte: UOL

O Ministério do Trabalho publicou um parecer nesta terça-feira (15) determinando que a reforma trabalhista vale para todos os contratos de trabalho regidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Ou seja, segundo o governo, as novas regras valem tanto para contratos assinados após a reforma entrar em vigor, em novembro do ano passado, quanto para contratos anteriores a ela.

Com o despacho, publicado no Diário Oficial da União, fiscais ficam obrigados a seguir a orientação do Ministério do Trabalho.

Elaborado pela AGU (Advocacia Geral da União), o despacho foi publicado três semanas após a medida provisória da reforma trabalhista (MP 808) perder a validade, em 23 de abril.

O texto da reforma trabalhista não deixava claro se as mudanças afetavam trabalhadores que já estavam empregados com carteira assinada ou se valia apenas para os contratos feitos após a entrada em vigor das novas regras.

A MP, editada pelo governo uma semana depois de a reforma trabalhista entrar em vigor, modificava diversos pontos da nova legislação. Um deles versava sobre a validade da reforma.

A medida provisória esclarecia que a reforma valia para todos os trabalhadores, inclusive os que já estavam empregados antes de ela entrar em vigor. Quando a MP expirou, voltou a dúvida sobre a validade ou não da reforma para quem já estava empregado.

TST ainda deve dar palavra final

Apesar da determinação do governo, a validade da reforma para contratos antigos ainda está em discussão no TST (Tribunal Superior do Trabalho).

A corte instalou uma comissão para analisar o tema porque ele gerou diferentes interpretações de juízes pelo país todo. Um entendimento do TST serviria de guia para futuras decisões, dando mais segurança jurídica para trabalhadores e empresas.

A comissão foi criada em fevereiro e deve divulgar um parecer no final de maio. Após o parecer, o tema ainda precisa ser votado pelo plenário do TST.

Comentários