Assembleia aprova forte mobilização pelo aumento real

Jaélcio Santana

Miguel Torres, presidente do Sindicato, na assembleia de mobilização da Campanha
Salarial 2011

A terceira Assembleia preparatória da Campanha Salarial 2011 dos metalúrgicos de São Paulo, realizada na sexta-feira, 19 de agosto, no Sindicato, aprovou que não vai aceitar acordo sem aumento real de salário e decidiu a intensificação da mobilização nas fábricas para defender piso salarial único e a redução da jornada de trabalho, além das cláusulas novas a serem inseridas na pauta de reivindicações, como vale-cultura, inclusão digital nas fábricas e pagamento das faltas justificadas ao trabalho, entre outras. A assembleia contou com a participação de cerca de 500 delegados e delegadas sindicais da categoria.

““Este ano, vamos renovar todas as cláusulas sociais e econômicas da Convenção Coletiva, e não vamos aceitar que o discurso do ministro da Fazenda, de que salário gera inflação, prejudique a conquista do aumento salarial que a categoria merece, nem vamos aceitar que os patrões usem como argumento a situação financeira dos Estados Unidos e da Europa para não dar aumento real”, disse o presidente Miguel Torres.

O consultor sindical João Guilherme Vargas lembrou que os especuladores defendem que se o mundo está em crise, o Brasil deve botar o pé no freio, reduzir o crédito, o salário, o emprego e o investimento. “Mas vamos lutar e mostrar que os interesses dos trabalhadores, de mais salário, mais crédito, mais qualificação profissional e mais direitos são uma alternativa a qualquer crise”, disse.

Plenária
A pré-pauta aprovada será levada para a plenária dos 54 sindicatos metalúrgicos da Força Sindical, a ser realizada nesta terça-feira, 23 de agosto, na sede da Federação dos Metalúrgicos do ESP.

Economia
O economista do Dieese (órgão econômico dos sindicatos) Altair Garcia, apresentou na assembleia dados da economia que vão nortear a Campanha Salarial. A expectativa é de que o PIB (soma das riquezas do País) cresça este ano entre 3,5% e 5%, a inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) fique em torno de 6% até a data-base (novembro) e a produção industrial cresça 3,4%.

O economista lembrou, também, que 86,3% das categorias profissionais com data-base no primeiro semestre do ano fecharam acordo com aumento real (acima da inflação) de salário. “Vamos ampliar este percentual no segundo semestre”, disse Miguel Torres.

Unidade
O secretário-geral, Arakém, reforçou que a chave para as vitórias da categoria é a unidade de ação. “O delegado sindical e o ativista têm que construir essa base nas fábricas, no conjunto da categoria e junto com o Sindicato”, disse.

Trabalho dos novos Departamentos
Os delegados também receberam informações sobre novos departamentos criados pelo Sindicato para ampliar a participação da categoria, sobretudo de mulheres, jovens, e aposentados, nas ações do Sindicato e fortalecer as lutas.

A diretora Leninha falou em nome da diretora financeira, Elza Costa Pereira, e reforçou que as cláusulas sociais da Convenção Coletiva são muito importantes. “Vamos defender auxílio-creche sem limitação de número de trabalhadoras por fábrica, direito de, pai ou mãe, levar o filho ao médico sem desconto no salário, licença-maternidade de 180 dias para todas, e tantas outras reivindicações”.

Leninha, que também é responsável pelo Departamento da Mulher, reforçou a importância das trabalhadoras metalúrgicas participarem mais das ações sindicais e fortalecerem o Departamento, que realizou o seu primeiro encontro em julho passado.

O diretor Jefferson, responsável pelo Departamento da Juventude, disse que grande parte dos trabalhadores jovens da categoria não se interessa pelo Sindicato, e que sua tarefa é mudar isso. “Estamos buscando uma linguagem visual e dialogando, por meio de quadrinhos, que vão contar muitas histórias dos metalúrgicos”, disse. Jefferson pediu aos delegados e delegadas que enviem suas histórias para o departamento (jefferson.c@sindicalismo.dev.br) e falou da criação de um personagem, o Metal, inspirado nos jovens – o quadrinho está publicado no último jornal do sindicato – o metalúrgico nº 576.

O diretor Campos, responsável pelo Departamento de Memória e Aposentados, falou da importância dos trabalhadores conhecerem o passado para poder trabalhar o presente e construir o futuro.
Ele lembrou que o ano que vem o Sindicato completará 80 anos, e pediu aos delegados, sobretudo os mais antigos da categoria, que já vivenciaram muitas lutas, que forneçam objetos, fotos, filmes etc, para o Departamento de Memória.

“Vamos mostrar aos jovens a nossa luta, como a que estamos travando hoje, pelo fim do fator previdenciário, que está reduzindo as aposentadorias e vai prejudicar os aposentados no futuro, se não lutarmos agora,” disse Campos.

Muitos direitos em jogo
Ao final, o presidente Miguel Torres, alertou para o problema da desindustrialização, provocado pelo aumento das importações, o fechamento de fábricas em São Paulo, e ressaltou a atuação do diretor e vereador Cláudio Prado na Câmara Municipal, em defesa de uma política que mantenha as empresas em São Paulo e atraia novas fábricas.

A Campanha Salarial é por aumento de salário, mas também por mais direitos sociais, emprego, aumento da produção industrial e redução da jornada de trabalho como fator de geração de empregos e mais qualidade de vida para os trabalhadores.

Miguel Torres disse ainda que o nosso Sindicato apoiará as campanhas salariais dos metalúrgicos do ABC pois há muitos pontos em comum e que esta solidariedade é fundamental para fortalecer a unidade e a mobilização rumo a uma conquista salarial expressiva para toda a categoria metalúrgica.

Paulo Segura

Presidente Miguel Torres comandou assembleia

Paulo Segura

Expressiva participação da categoria

Paulo Segura

Mobilização começa forte

Paulo Segura

Arakém, secretário-geral do Sindicato
Jaélcio Santana

Elza Pereira, diretora de finanças do Sindicato, e vereador Cláudio Prado
Jaélcio Santana

Delegados e delegadas sindicais presentes à Assembleia
Paulo Segura

Miguel Torres, Elza Pereira, Arakém e diretores acompanham a palestra
do consultor sindical João Guilherme
Jaélcio Santana

Palestra com Altair Garcia, técnico do Dieese