Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Logo 9ª Copa Tabelas Completas
Pontuações Jogos Realizados
Luta Sindical

Presidente dos metalúrgicos defende Previdência igual para todos

Confira entrevista de Miguel Torres publicada pelo jornal O Diário de Mogi desta quarta-feira, 9 de agosto

Entrevista

Presidente dos Metalúrgicos defende previdência igual para todos

NATAN LIRA
Na próxima sexta-feira, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e Região une-se às várias centrais sindicais ligadas à categoria metalúrgica para fazer uma avaliação sobre as mudanças trabalhistas com a aprovação da terceirização e da modernização. O objetivo desta análise e da reunião é verificar de que forma a retirada dos direitos trabalhistas com as reformas podem ser recompensadas nos acordos coletivos, já para a data-base neste mês.

Em visita a O Diário, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos e vice-presidente da Força Sindical, Miguel Torres, disse que a Região perdeu cerca de 35% de seus funcionários, desde o início da crise, em 2015. Atualmente são 8,9 mil e, desse total, 3,8 são filiados à entidade. Quando consideradas a cidade de São Paulo e Região, são 155 mil trabalhadores representados e 35 mil associados.

Segundo Torres, a Região tem cerca de 400 empresas metalúrgicas. Dessas, 300 têm menos de 50 trabalhadores e podem ser consideradas de pequeno e médio porte. “O setor metalúrgico de São Paulo e Mogi é diferente do ABC, por exemplo. Em São Bernardo do Campo, cinco empresas de lá têm 80% dos trabalhadores de toda aquela Região”, explica. O presidente enumera ainda a quantidade de empresas abrangidas pela entidade “São 12 mil empresas, 10,5 mil com até 50 funcionários”, pontuou. As maiores da Região, conta Torres, são Valtra, Gerdau, Elgin, Fame, NGK, Schneider e General Motors (GM).

Abaixo, Miguel Torres comenta a crise no País, a situação financeira e política e os planos do setor.

Para o Sindicato, o principal problema das reformas é o fim do imposto sindical?
Não, isso corresponde a cerca de 13% do nosso orçamento. A contribuição sindical tem de ser decidida pelos trabalhadores. Esta é a nossa ideia e hoje já existe a contribuição negocial. Consequentemente, ele decide de que tamanho ele quer o sindicato e de que forma a entidade o representa.

De que forma isso vai afetar a estrutura sindical e vai obrigá-lo a mudar o modo de agir daqui para frente?
Para os sindicatos no geral, vai obrigá-los a estarem cada vez mais próximo do trabalhador. Mas isso é algo que a gente já faz. Exemplo disso: se você vai na Valtra, o nosso sindicato é o que vai lá na porta, e são inúmeros sindicatos lá dentro. Só que a nossa luta é por todos os trabalhadores, independente de categoria.

E a reforma da Previdência passa?
Eu acho muito difícil passar do jeito que está. Eles vão ter de mexer na idade, porque é o principal ponto. Com o tempo de contribuição de 49 anos ninguém mais vai aposentar. Ainda mais porque temos a reforma trabalhista, a terceirização e a previdência. A aposentadoria ficará mais difícil por consequência das demissões que ficarão muito mais fáceis. O trabalhador não ficará mais num emprego de cinco a 10 anos, como antigamente. Quando ele sai, o tempo médio em que fica desempregado, hoje, com toda esta crise, é de 18 meses. Antes, a média histórica era de sete meses. Então se a cada dois anos ele ficar seis meses parado, isso vai obrigá-lo a trabalhar cada vez mais. Se com 65 anos já é ruim, ninguém vai conseguir o benefício com esta idade, só mesmo aos 72, 75 anos e por aí vai.

E o que o senhor sugere?
A Previdência tem de ser igual para todo mundo: servidor público, político, militar e hoje não é. O teto de cinco mil e pouco é só para o contribuinte privado, porque o de agente público gira em torno dos R$ 26 mil. Um absurdo. Militares e deputados têm super salários. Em segundo lugar, que todos contribuam igual. Um dos exemplos é o agronegócio, que exporta e não paga um centavo sobre este produto, enquanto o empresário pequeno paga. Outro ponto é cobrar os devedores: tem algum deles que é trabalhador? Não, são só as empresas que já descontaram deles e não repassaram. Bancos, frigoríficos e outros ramos têm uma dívida astronômica que passa de R$ 400 bilhões. Cobrar também das evasões de divisas, só isso daria R$ 50 bilhões. Depois disso, sim, sentamos e veremos o que precisa ser feito para o futuro da Previdência. É necessário reformar, mas não do jeito que estão fazendo.

Quando se reúne para debater este assunto, não se fala sobre estes pontos?
Sim, mas o problema é que os interesses são outros, né?! Quem está por trás disso é a previdência privada. Eles estão fazendo todo este jogo, assim como fizeram no Chile, na Argentina e em muitos países.

E o déficit?
O déficit é muito polêmico, porque existe uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que mostra que o dinheiro é muito mal administrado. Tem de ter outra discussão.

E como o senhor avalia a atual conjuntura econômica?
Eu acho que o momento é de termos uma virada na economia. Nós estamos trabalhando junto com o empresariado a fim de retomar a geração de empregos. Estivemos na Fiesp para ver com os empresários o que precisamos fazer juntos. O nosso caminho agora é unir trabalhador e o capital e chegar no governo e mostrar as condições. Porque quem está fora do País com grana para investir aqui segurou, já o dinheiro interno o governo sentou em cima e não quer liberar. Precisamos demonstrar confiança

De tudo o que a gente viu nos últimos 16 anos, qual foi a encrenca maior?
Foi a Dilma. Durante o governo dela teve um volume absurdo de dinheiro gasto com uma quantidade absurda de obras. A Dilma empacou, não conversava com ninguém. Ela punha na cabeça uma coisa e segurava muito. O erro também foi do Lula, por não ter sido o candidato no segundo mandato da Dilma.

E a Lava Jato, aonde vai chegar?
Eu tenho dúvidas agora com a saída do Rodrigo Janot, porque ele era uma pessoa que brigava com todos os grupos e parece que agora a operação vai dar uma esfriada. Mas eu defendo que tem de ir até o fim, porque quem deve tem de pagar.

O Temer vai até o fim?
Mesmo sangrando, eu acho que ele vai. Eu acho isso ruim. Não estou defendendo o Rodrigo Maia, que do ponto de vista ideológico parece ser bem pior. Mas se retira-se uma pessoa que foi pega roubando, do ponto de vista social, a situação do Brasil dá uma melhora e ganhamos um pouco mais de credibilidade.

Comentários