Fale com o Presidente Miguel Torres
11 3388.1073 Central de Atendimento 11 3388.1073
Logo 9ª Copa Tabelas Completas
Pontuações Jogos Realizados
Luta Sindical

Campanha pela correção da tabela do Imposto de Renda

Vamos fazer uma campanha, urgente, pela correção da tabela do Imposto de Renda e mobilizar os trabalhadores contra este roubo absurdo praticado contra a classe trabalhadora pelo governo, que não está nem um pouco preocupado com os prejuízos que isso vem causando, há anos, para a economia nem com os efeitos no campo social.
A tabela deveria ser um instrumento de distribuição de renda e de justiça social, mas a maneira como é utilizada é somente para arrecadar, sugar e não distribuir.

Segundo o Dieese, o Sindifisco Nacional e o Ipea, computando desde 1996, a tabela está defasada em 88,6%. Se considerarmos somente o período de janeiro de 2003 a dezembro de 2017, essa diferença é de 35,10%.

De 1996 a 2001 e nos anos de 2003, 2004, 2016 e 2017, a tabela ficou sem correção. Entre 2007 e 2010, por força de um acordo firmado entre as centrais sindicais e o governo, a tabela foi corrigida, anualmente, em 4,5% – abaixo da inflação. O mesmo percentual foi aplicado até 2014. A última correção foi em 2015.

Se a tabela fosse corrigida em 88,6%, o limite de isenção do imposto para os trabalhadores, hoje, seria de R$ 3.589,00. Se a correção fosse de 35,10%, esse limite seria de R$ 2.572,34. Mas sem correção, o valor está limitado em R$ 1.903,98. É uma diferença muito grande, que dá a dimensão de quanto os trabalhadores e a sociedade estão sendo onerados.

Mesmo assim, o governo insiste na sua campanha enganosa de dizer que falta dinheiro pra tudo, mais precisamente para as áreas essenciais e congelou os gastos públicos em saúde, educação etc. por 20 anos.

Ou seja, temos um modelo tributário injusto, por conta de interesses que não são os que o Brasil precisa, que faz com que a cada ano mais trabalhadores – os que continuam empregados – que eram isentos de pagar imposto passem a pagar, e outros que pagavam sobre determina faixa de desconto passem a pagar uma alíquota maior. Isso acaba com qualquer reajuste salarial conquistado, reduz o poder de compra, diminui o consumo e piora a qualidade de vida da população.

Vamos mobilizar os trabalhadores nas fábricas, orientar para que eles olhem os seus holerites e vejam o quanto estão perdendo com a não correção da tabela e mostrar que a mordida do Leão é cada vez maior, que o trabalhador está perdendo renda enquanto o governo engorda seu caixa e utiliza os recursos tão sofridos da população para outros interesses que não os do bem-comum!

A luta faz a lei!

Miguel Torres
Presidente do Sindicato, da CNTM e vice da Força Sindical

Comentários